segunda-feira, 16 de junho de 2014

Big Data e Redes Sociais: como aplicar em sua empresa

Autora: Larissa Florindo

Big Data é um conjunto de dados que cresce em alta escala de forma tão complexa que dificulta o processamento ao usar ferramentas de gerenciamento de bancos de dados tradicionais. As principais dificuldades são: captura, armazenamento, busca, compartilhamento, análise e visualização.

Entendeu? Provavelmente você entendeu da mesma maneira como entendeu o sexo quando era adolescente: confuso. Vejamos:

“Big Data é como o sexo na adolescência: Todo mundo fala sobre isso, mas ninguém entende como fazer e todo mundo pensa que os demais estão fazendo… Então todos dizem que também estão fazendo! ” – gerente de TI do Grupo SBF (Centauro), Daniel Prando.

Mas afinal, o que é Big Data?
Big Data é a forma com que você lida com os dados, armazena, processa e extrai informações (recomendável ler o primeiro parágrafo novamente, agora ficará mais claro).

O Big Data se baseia em 5 Vs: velocidade, volume, variedade, veracidade e valor.

Volume
No princípio era o bit, depois byte, kilobyte, megabyte, gigabyte, terabyte, petabyte…

Só no Facebook são aproximadamente 10 bilhões de mensagens, 4,5 bilhões de curtidas e 350 milhões de fotos compartilhadas todos os dias. Até 2020 o universo digital vai dobrar de tamanho a cada 2 anos, segundo um estudo do EMC Digital Universe.

Velocidade
É o tempo que leva os dados a serem criados. Em 1 minuto na internet, 639.800 GB de dados no mundo são transferidos.

Variedade
Refere-se de onde vem a informação. A cada dia são produzidos 2,5 exabytes de informações pela humanidade. Para armazenar 1 exabyte em dados, são necessários 71 datacenters que juntos ocupariam 9 campos de futebol – veja mais.

Veracidade
O que é mais importante em uma informação? Que ela seja verdadeira. Com o Big Data não é possível controlar a veracidade da informação, mas através de análises e estatísticas de grandes volumes de dados é possível compensar as informações incorretas.

Valor
A quantidade imensa de dados precisa gerar valor. Você, empreendedor, possui elogios e críticas dos seus clientes vindo de redes sociais e o que você fará com essas informações? O Big Data te ajuda a tomar conhecimento e gerar valor para o seu negócio.

O novo consumidor
A internet evoluiu e hoje nos deparamos com o novo consumidor que é formado por átomos e bits, que, em uma mão, envia um SMS através de seu smartphone e, na outra, acompanha as notícias do mundo inteiro por um tablet.

Esse comportamento já faz parte do DNA do brasileiro, que dedica 45 horas do seu mês à internet, mais tempo do que qualquer cidadão do mundo. E que é líder mundial no uso de redes sociais, com 84% de participação.

Com isso, o famoso boca-a-boca foi para o mundo digital e lidar com essa quantidade exorbitante de dados, pode ser um caos.

Na AUTOCOM 2014, a Centauro representada pelo gerente de E-commerce, Daniel Prando, mostrou como é possível lidar com tanta informação. Prando deu um exemplo no uso do Facebook: através de APIs (aceito pelo cliente), a Centauro tem acesso a curtidas, lista de amigos, produtos compartilhados, entre outros dados.

Big Data nas Redes Sociais
Na Centauro, o processo de monitoramento e armazenamento funciona da seguinte forma:

1 – As redes sociais são monitoradas para identificar incidentes e ser solucionadas;

2 – Esses dados são armazenados no banco de dados da empresa;

3 – O cliente é classificado de acordo com o posicionamento do mesmo.

Com o acesso a esses dados, a Centauro pode fornecer soluções pontuais para clientes que tiveram algum problema. Identificação e tratamento diferenciados em casos especiais no momento do atendimento no SAC e/ou na fila de processamento de pedido.

Big Data no Site
A Centauro aliou tecnologia e marketing em seu site para facilitar a vida do cliente e aumentar as vendas criando vitrines especiais para cada cliente, entre delas:

- navegação personalizada de acordo com os interesses do mesmo;

- o site mostra produtos relacionados ao produto que o cliente visualizou ou comprou anteriormente, essas sugestões podem interessar ao cliente e promovem a venda cruzada no último caso;

- produtos mais populares: promove a descoberta dos produtos de maior sucesso da loja virtual, exibidos em um ranking personalizado que se atualiza de acordo com as tendências de consumo do site;

- produtos recomendados exclusivamente para o cliente: relacionados à intenção de compra atual do usuário ou de seu histórico na loja.

Essas vitrines impactaram até 32% das vendas no site e houve um aumento de 25% na taxa de conversão.


Empreendedor, na internet tudo se pode medir. Alie a tecnologia da informação com o marketing, que resultará em inovação em seu negócio.

FONTE: CorpTV