segunda-feira, 5 de maio de 2014

Internet das Coisas: desafios e oportunidades para o Brasil

Internet das Coisas (IoT, sigla em inglês de Internet of Things) deverá contribuir cada vez mais com o Universo Digital brasileiro, que crescerá dez vezes até 2020 e responderá por 10% do tráfego de dados. As estatísticas são de estudo da IDC, contratado pela EMC, que chama atenção das empresas para os desafios e novas oportunidades de negócios.

O 7º estudo EMC Digital Universe revela que o Universo Digital está dobrando no mundo a cada dois anos e se multiplicará por dez entre 2013 e 2020 ¬ de 4,4 trilhões de gigabytes para 44 trilhões de gigabytes.
Atualmente, 60% dos dados no Universo Digital são atribuídos a mercados maduros, mas até 2020 a porcentagem vai mudar e os mercados emergentes serão responsáveis pela maioria dos dados. Até 2020, o Brasil representará 4% do Universo Digital global passando de 212 Exabytes para 1, 6 mil. Exabytes.

A pesquisa e análise da IDC mostra como o surgimento de tecnologias sem fio, produtos inteligentes e negócios definidos por software estão representando um papel central na elevação do volume de dados no mundo. Devido, em parte, a IoT, o tamanho do Universo Digital está dobrando a cada dois anos e se multiplicará por dez entre 2013 e 2020, saltando de 4,4 trilhões de gigabytes para 44 trilhões de gigabytes.
A IoT abrange bilhões de objetos do dia a dia que estão equipados com identificadores únicos e capacidade de gravar, relatar e receber dados automaticamente ¬ um sensor no sapato controlando a velocidade de sua corrida ou uma ponte controlando os padrões de tráfego.

Segundo o IDC, o número de dispositivos ou coisas que podem ser conectados à IoT está se aproximando de 200 bilhões, com 7% (ou 14 bilhões) já conectados à Internet e se comunicando por meio dela.

Hoje, os dados desses dispositivos conectados representam 2% dos dados do mundo inteiro. A IDC agora prevê que, até 2020, o número de dispositivos conectados chegará a 32 bilhões ¬ representando 10% dos dados mundiais.

Até 2020, mais de 35% de todos os dados poderão ser considerados úteis, graças ao crescimento dos dados da IoT, mas dependerá das empresas colocá-los em uso.


Esse fenômeno apresentará modos novos e radicais de interagir com os clientes, otimizando os ciclos de negócios e reduzindo os custos operacionais, dando assim margem a trilhões de dólares em oportunidades de negócios.


Por outro lado, ele apresenta desafios significativos, já que as empresas precisam gerenciar, armazenar e proteger todo o volume e toda a diversidade desses dados. Por exemplo, a IDC estima que 40% dos dados no Universo Digital exigem algum nível de proteção, desde rigorosas medidas de privacidade até dados totalmente criptografados. Dito isso, só a metade desses dados ¬ apenas 20% ¬ está protegida atualmente.

Mercado brasileiro
Os mercados emergentes estão produzindo mais dados. Atualmente, 60% dos dados no Universo Digital são atribuídos a mercados maduros como Alemanha, Japão e Estados Unidos, mas até 2020 a porcentagem vai mudar, e os mercados emergentes, como Brasil, China, Índia, México e Rússia, serão responsáveis pela maioria dos dados.


Segundo o estudo, os motivos que impulsionam o crescimento do País são aumento continuo do uso de smartphones, internet e redes sociais. Há também investimento agressivo em TI por parte das empresas latino-americanas em seus negócios para avançar na concorrência com outras regiões emergentes; redução no custo da tecnologia que captura, gerencia, protege e armazena informações; e o crescimento da comunicação maquina a maquina e das informações sobre informações.

Estima-se que a IoT irá contribuir cada vez mais para o crescimento do Universo Digital brasileiro. Estes sistemas integrados de tecnologia automática representarão 10% do volume total de dados do país até 2020. Este percentual foi de 2%, em 2013.

O investimento em IoT levará as empresas a desenvolver novas fontes de valor, como a criação de novos modelos de negócio, a geração de informações em tempo real sobre sistemas de missão critica, a diversificação de fluxo de receita, a visibilidade global de operações internas, e o aprimoramento operações inteligentes e eficientes. Outro aspecto apontado no estudo é que mais de 40% das informações do Universo Digital brasileiro, que precisam de proteção, não sendo protegidos.

Veja a seguir cinco maneiras em que a IoT irá criar novas oportunidades para empresas,brasileiras, segundo o estudo da EMC/IDC:

1- Novos modelos de negócios
A IoT irá ajudar as empresas no Brasil a criar novos fluxos de valor para os clientes, acelerar o lançamento no mercado e atender com mais presteza às necessidades dos clientes.

2- Informações em tempo real sobre sistemas de missão crítica
As empresas podem capturar mais dados sobre processos e produtos com mais rapidez e melhorar radicalmente a agilidade de mercado.

3- Diversificação de fluxos de receita
A IoT pode auxiliar as empresas a rentabilizar serviços adicionais em cima de linhas de negócios tradicionais.

4- Visibilidade global
A IoT irá facilitar a visibilidade das operações internas pela própria empresa, incluindo o acompanhamento desde uma extremidade da cadeia de suprimentos até a outra, o que irá reduzir o custo de fazer negócios em locais distantes.

5- Operações inteligentes e eficientes
Acesso a informações a partir de pontos extremos autônomos irá permitir que as organizações tomem decisões imediatas a respeito de preços, logística, e implantação de vendas e suporte.

Três passos que as empresas brasileiras devem dar para aproveitar as oportunidades com IoT:

1- Definir e implementar uma política de governança de dados por toda a empresa
Implementar uma política central de governança para determinar quem é dono dos dados, quem tem direito a acessá-los, onde eles se encontram, e quais são os fatores de conformidade, privacidade, segurança e outros fatores de risco associados aos dados.

2- Acessar e selecionar as ferramentas de software apropriadas
Para gerenciar a enxurrada de dados, a companhia deve escolher e implementar as corretas ferramentas de software da próxima geração para limpeza, processamento do consumo de dados integrando-as perfeitamente com o sistema legado.

3- Projetar e executar um plano para adquirir habilidades e talento necessários

Definir as habilidades e o conhecimento de que a empresa precisa hoje e no futuro, e estabelecer os processos, programas e incentivos adequados para atualizar a sua força de trabalho.

FONTE: CorpTV