quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Brasil possui a 4ª maior população de "nativos digitais" do mundo, diz ONU

O Brasil é o país que possui a quarta maior população do mundo de “nativos digitais”, jovens que cresceram acompanhando de perto a expansão da internet e estão acostumados às muitas mudanças trazidas pela web. 

Os dados foram compilados pela União Internacional das Telecomunicações (UIT), órgão da ONU, e divulgados nesta segunda-feira (7).

É a primeira vez que a entidade faz esse tipo de mensuração, que consta na pesquisa “Medindo a Sociedade da Informação”.

A UIT admite não haver consenso entre os critérios usados para caracterizar alguém como “nativo digital”, assim como os efeitos de ter nascido na era da informação. Segundo a metodologia criada pela entidade para mensurar esse grupo, são nativos os jovens entre 15 e 24 anos que já possuem experiência de conexão à internet de pelo menos cinco anos.
O Brasil possui pouco mais de 20 milhões de “nativos digitais”, que formam um grupo apenas menor aos da China (75,2 milhões), Estados Unidos (41,3 milhões) e Índia (22,6 milhões).

“Enquanto não existe consenso na literatura do impacto exato que as tecnologias da informação e comunicação têm sobre os jovens, há consenso geral que as mídias digitais estão mudando o jeito que eles aprendem, brincam, socializam e participam da vida civil”, escreve a UIT a respeito das transformações enfrentadas por esses jovens.

Eles já são 5,2% da população mundial e chegam a 30% do total dos jovens. De acordo com o órgão da ONU, ainda são minoria mesmo entre os jovens devido ao baixo uso da internet em muitos países em desenvolvimento.

No entanto, pondera a pesquisa, a própria expansão da internet é um fenômeno recente, visto que, até 2007, apenas 21% da população global estava on-line.

Jovem e plugado
Não é surpresa, ressalta o documento, que países populosos como Brasil, China e Índia estejam no topo das nações com mais “nativos digitais”. No entanto, esses países podem ver esse contingente crescer ainda mais. Enquanto os jovens conectados são 95,6% da juventude norte-americana, chega a 34,7% dos jovens da China e a 9,5% dos da Índia. No Brasil, 60,2% dos jovens são “nativos” –10% do total dos brasileiros.

Apesar da grande população, que colabora para formar um grande exército de nativos, o mesmo estudo da UIT mostra que o custo de estar conectado no Brasil é um dos mais altos do mundo.

O minuto das ligações por celular, o principal serviço de telefonia do país e motor da expansão da banda larga móvel, chega a US$ 0,74. A quantia é mais de setenta vezes o valor de US$ 0,01, cobrado na Coreia do Sul, país mais barato.

A despeito da quantidade de jovens conectados, a banda larga fixa é apenas a 55ª mais barata do mundo, custando, em média, US$ 17,20, cerca de R$ 40. Até no envio do SMS, o país esta entre os maiores: cobrando US$ 0,23 o torpedo, é o segundo mais caro.

Já na lista dos países com maior proporção dos “nativos digitais” entre os jovens estão os mais desenvolvidos. Encabeçado pela Coreia do Sul, com 99,6% de sua juventude conectada e com experiência no acesso à internet, o ranking posiciona o Brasil na 50ª posição.


Em comum, os países que encabeçam essa lista possuem alto índice de desenvolvimento em tecnologia da informação e comunicação (IDI), criado pela própria UIT. Isso quer dizer que essas nações equilibram bem o nível acesso à web, o uso da rede e as habilidades desenvolvidas on-line. Com IDI de 5, o país está no 62º posto.

FONTE: CorpTV